Spread bancário: o que é e porque é importante

Spread bancário: o que é e porque é importante

Você já deve ter ouvido falar nos noticiários da TV ou visto nos jornais ou sites especializados em economia o termo spread bancário. Mas, você sabe o que esta expressão significa?

Entender o que é e como funciona o spread bancário é um passo importante para aprender como os bancos conseguem lucrar captando e emprestando recursos.

Neste post, você vai compreender um pouco melhor esta dinâmica e sua importância no mercado financeiro. Continue a leitura e confira:

 

O que é spread bancário?

Uma forma simples de explicar é por meio de um conceito bastante singular: a diferença entre os juros que o banco paga na captação de dinheiro e o quanto ele cobra para emprestar este dinheiro.

A expressão spread, ao pé da letra, pode ser traduzida como “espalhar” ou, em um significado que se aproxima mais de seu conceito na economia, “estender”. O spread bancário seria, portanto, a forma do banco estender os seus lucros, como veremos a seguir.

 

Como os bancos captam recursos?

Os bancos captam dinheiro por meio de vários instrumentos, como as aplicações em poupança, CDB (Certificado de Depósito Bancário) e RDB (Recibo de Depósito Bancário), os depósitos em conta-corrente e investimentos diversos.

Vamos tomar como exemplo o CDB, cuja finalidade específica é a captação de recursos para que os bancos possam emprestar. Considerando que o CDB seja remunerado em 10% ao ano e o banco empreste o mesmo dinheiro captado, que está ao seu dispor, a juros de 40% ao ano, podemos dizer que o spread bancário é de 30%, já que seu cálculo é feito em pontos percentuais.

 

Leia também – Quando contratar crédito para sua empresa?

 

Qual a rentabilidade dos bancos?

Não seria correto, simplesmente, afirmar que no exemplo anterior a instituição financeira teve um lucro de 30%. Existem certos custos que estão embutidos no spread bancário, e que impactam na rentabilidade dos bancos.

A cunha fiscal, ou tributária, refere-se aos impostos diretos (IR, IOF e CSLL) e também aos depósitos compulsórios, que são recolhimentos obrigatórios efetuados pelos bancos ao Banco Central, servindo como um instrumento do Governo Federal para controlar a economia.

No spread bancário também estão incluídas as despesas administrativas, que envolvem os custos com as agências e o quadro de funcionários. Há também o custo do risco, que é a provisão feita pelos bancos contra a inadimplência e o custo de captação, que tem como referência a Taxa Selic.

Assim, podemos perceber que o spread bancário não corresponde ao lucro dos bancos. Para simplificar, podemos afirmar que o lucro das instituições financeiras é o que sobra após a cobertura das despesas acima apresentadas.

 

Leia também – Não venda produtos, venda motivos

 

Por que o spread bancário é tão alto no Brasil?

Com certeza você já deve ter ouvido falar nos elevados lucros das principais instituições financeiras do país.

O spread bancário no Brasil está entre os mais altos do mundo, atingindo a casa dos 22,7% em junho de 2016. Não há erro em afirmar que a elevação do spread bancário está diretamente ligada às condições econômic0as do país.

Sua alta é acentuada em períodos de crise, quando a inadimplência é maior. Como vimos, a provisão contra devedores duvidosos é um dos componentes do spread bancário.

Uma vez que a SELIC é utilizada como piso para os juros dos bancos, a tendência de queda seguida pelo COPOM pode contribuir para a redução do spread bancário no país.

 

 

Fonte: Finanças Forever

Posts relacionados

A regra das duas pizzas

A regra das duas pizzas

Há poucos empreendedores no mundo que dão tanto valor à estratégia de longo-prazo como Jeff Bezos. Começando pela famosa carta aos […]

Leia mais
Crise: preocupar-se ou ocupar-se?

Crise: preocupar-se ou ocupar-se?

Todos sabemos que resultados atraem resultados. Porém, a grande questão é: como obter o primeiro resultado? Não é nada fácil. […]

Leia mais
FIDC e Factoring: você conhece as diferenças?

FIDC e Factoring: você conhece as diferenças?

Você já se perguntou quais são as diferenças entre FIDC e Factoring? Caso sim, este post é especialmente para você! […]

Leia mais

Podemos guardar cookies?

Clicando em "Sim" você concorda em armazenar cookies no seu dispositivo para promover marketing personalizado, melhorar sua navegação e experiência em nosso site. Acesse nossa Política de privacidade.